23.3.15

espasmos

entre ventos
entro-me, rebento
adentro-me, soo tempo
percebo-me, atento-me

corpo... tento-me
atento-me no meu ar-elemento
dançando sedenta por um alento
rodopio em espasmos

corpo que me lança 
em silenciosos ensinamentos

4.3.15

A cor dei...fogo
A terra me dei corpo
Vem...tu...
E me embaralhou nas águas
Saudade é ausência que se manifesta nos meus elementos..

20.2.15

real, carnaval

um estalo, me desperta
silêncios nessa madrugada
busco pelo sono
busco pelo som
busco pelo som uno
me soo uno
universal

tantos bailes
me bailam
me embalam
nesse sono pós-carnaval
eu refeita
redescobrindo as palavras
as escritas dessas que me soam
real

4.2.15

secas rebentações

se há seca lá fora
sou chuva
tecidos úmidos
nesse porvir dos meus mares
timoneando como posso
com passo, se con-Sigo
sigo num horizonte 
em profundidades que me arrebentam
me arrebatam nesse meu ser eterno
de marejamentos
umidades
de multiplas unidades

7.1.15

para o ano que inicia quero poucas coisas
um
amor-ventania com sabor acarajé

23.10.14

...

entre ditos e desditos, o silêncio me diz
"silencia-te"
entre gestos e não gestos, o corpo diz
"toca-se"

amor, sentimento dificil de sentir
amor, sentimento fluxo desse meu evoluir
amor, você lá e eu aqui

afogada em lágrimas que não escorrem
silenciada
suspensa

errante nesse trajeto de um outro que está
numa voz, gesto, olhar que não se diz
mas, reconheço... ser amor